• seg. set 20th, 2021

NOTÍCIAS QUE FAZEM BEM

Porque o bem merece cometários

Três países já têm mais vacinados do que casos confirmados de covid-19

Bydaianelealcosta

jan 11, 2021

Governos de todo o mundo correm para vacinar seus cidadãos em meio a uma segunda onda de contaminações por covid-10.

Enquanto o Brasil aguarda a aprovação, pela Anvisa, de duas vacinas contra a covid-19 (a CoronaVac, testada pelo Instituto Butantan, e a de Oxford/AstraZeneca, pela Fiocruz), 46 países já iniciaram suas campanhas de vacinação — a maioria com o imunizante da Pfizer.

A parcela da população mundial vacinada até agora ainda é pequena demais para que já se possa registrar um impacto positivo para conter a pandemia ou, ao menos, as mortes e os casos graves da doença, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A entidade também alerta que as medidas de restrição e o uso de máscaras serão necessárias por todo o ano de 2021. Para alguns países, os benefícios da imunização em massa chegarão antes do que para o resto do mundo. Uma forma de identificar esse grupo privilegiado é comparar o estágio atual de vacinação com o total de casos confirmados por covid-19 até agora.

Três países já têm mais cidadãos vacinados contra covid-19 do que o total de casos confirmados de pacientes com covid-19. A China, no topo do ranking, aplicou em média quase 93 doses de vacina a cada cidadão que foi infectado pelo novo coronavírus (o dado chinês precisa ser visto com reservas, pois suspeita-se que Pequim esteja omitindo o verdadeiro número total de casos). A Islândia já aplicou pouco mais de 12 doses a cada cidadão infectado, em média. Israel, que já imunizou mais de 20% de sua população, tem uma média de 3,7 doses aplicadas a cada pessoa que teve covid-19 em algum momento da pandemia.

Bahrein, pequeno reino do Golfo Pérsico, e Suécia estão próximos de atingir e superar a marca de 1 cidadão vacinado por 1 cidadão infectado (veja quadro) — com a ressalva de que são necessárias duas doses para que imunizante atinja sua máxima eficácia.

Fonte: World in Data. Imagem: Diogo Schelp/UOL

11 janeiro de 2021.

Por Diogo Schelp, da UOL

Deixe uma resposta