• ter. jun 22nd, 2021

NOTÍCIAS QUE FAZEM BEM

Porque o bem merece cometários

Brasil desenvolve teste popular para detectar Covid-19

Pesquisadores do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), unidade de São Carlos, desenvolveram um teste rápido e popular para a Covid-19 que vai custar cinco vezes menos do que os tradicionais, o que vai possibilitar ao país fazer a testagem de um grande número de brasileiros. A previsão é que o produto esteja no mercado dentro de dois meses, a um custo de R$ 30.

Desenvolvido em um tempo recorde de quatro meses, o chamado Teste Popular de Covid-19 tem outro diferencial: ele vai revelar também se a pessoa vacinada conseguiu desenvolver anticorpos contra a doença.

O professor Frank Crespilho, coordenador da pesquisa, explica que o método é muito similar aos encontrados nas farmácias. No entanto, é mais preciso, barato, requer menos reagentes e pode ser produzido integralmente no Brasil.

O teste é realizado com uma gota de sangue do paciente, fica pronto em aproximadamente 10 minutos, e deve custar aproximadamente R$ 30. Os testes realizados hoje nas farmácias custam, em média, R$ 140.

Os testes já estão em fase de validações e, atualmente, a leitura e interpretação dos resultados são realizadas em aproximadamente 10 minutos – Foto: Karla Castro/ doutoranda do IQSC

Testagem em massa

O pesquisador também conta que a intenção do novo teste é favorecer especialmente as populações mais vulneráveis. “A proposta é fazer uma análise em massa da população, com um custo bem mais competitivo e viável para a nossa realidade econômica”, explica o professor Crespilho.

A estratégia usada pelos pesquisadores para baratear a produção do novo teste foi otimizar a quantidade de insumos do material e utilizar nanopartículas para a localização dos anticorpos. Desenvolvidas pelo Departamento de Química da USP São Carlos, em parceria com a empresa de biotecnologia BioLinker, essas nanopartículas possuem uma molécula sonda, que fica na cor vermelha quando entra em contato com algum anticorpo.

O teste já está pronto para produção em larga escala e aguarda, agora, a regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A expectativa é que o produto já esteja disponível no mercado em até dois meses.

A pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

25 janeiro de 2021

Fonte: Jornal da USP

Deixe uma resposta