• ter. jun 22nd, 2021

NOTÍCIAS QUE FAZEM BEM

Porque o bem merece cometários

Ele começou seu negócio de churros há 4 anos devido a poucas ofertas de emprego. Hoje é um sucesso

Bydaianelealcosta

maio 7, 2021

Apesar das restrições devido à pandemia do coronavírus, Eric Silva continua vendendo mais de 100 churros por dia.

O churro se tornou um alimento icônico que surgiu na Espanha, mas se espalhou para vários países de língua espanhola, como Chile, Argentina, Peru, entre muitos outros. É por isso que os vendedores deste produto se tornaram a imagem clássica de muitas ruas da Espanha e da América Latina.

No entanto, com a pandemia de COVID-19 atingindo o mundo, tem sido difícil para os vendedores ambulantes continuarem seus empregos. E entre os empregos que correram perigo estão os vendedores de churros, já que devido aos protocolos de distanciamento social e quarentenas foi proibido em alguns países circular livremente pelas cidades.

Foi o que aconteceu com Eric Silva , 24, natural do município de Castuera, na Espanha, que está vinculado a este trabalho há mais de 11 anos devido à tradição de sua família . Ainda criança, acompanhou o pai, que é vendedor de nozes, onde aprendeu como é trabalhar com comida na rua.

De acordo com a mídia local Campanario, Eric começou a fazer churros há 4 anos, sem saber exatamente como eram feitos ou quais eram as receitas. Ele pediu um empréstimo no banco e abriu seu próprio negócio chamado “Los Churros Hermanos”.

Foto: Soledad Gómez / Campanario

A ideia surgiu depois que ele completou 20 anos e percebeu que onde morava havia poucas ofertas de trabalho . Assim, Eric conseguiu autorização para trabalhar cinco dias fixos, o que causou um aumento consistente em seus clientes.

Isso foi até que a pandemia do coronavírus atingiu o mundo, fazendo com que sua clientela caísse e seus dias de trabalho encurtados. “ Eu cubro as despesas, mas está tudo mais apertado ” , disse o jovem a Campanario.

Foto: Soledad Gómez / Campanario

Apesar de Eric aceitar que passou de 250 para 150 churros , ele sabe que seu negócio se tornou um sucesso e que, uma vez que os protocolos sejam relaxados, sua clientela voltará a comprar churros para ele. Além disso, o mais importante para ele é gostar do ritmo do trabalho e de não ter quem o comande.

“ O fato de ser meu próprio patrão e não ter que aturar colegas de trabalho com quem você pode não se dar bem, e isso não requer muito esforço físico ”, concluiu Eric.

Foto: Pixabay

Deixe uma resposta