• seg. set 20th, 2021

NOTÍCIAS QUE FAZEM BEM

Porque o bem merece cometários

Depois de ir à falência e dormir em barraca improvisada, homem supera dificuldades e vira empresário

Bydaianelealcosta

ago 1, 2021

Raimundo abriu uma empresa com os irmãos, mas assistiu à sua falência, deixando-o desempregado e sem ter onde morar.

Perseguir os sonhos nem sempre é uma tarefa fácil, muitas vezes é preciso mais do que apenas resistência e foco, é preciso desafiar as probabilidades, enfrentar as estatísticas e se jogar em um mar de incertezas. Quando sentimos em nossos ossos que devemos realmente pegar “aquela” estrada, precisamos defender nosso ponto de vista, mesmo que muitas pessoas não concordem com o caminho que vamos trilhar.

É importante saber que nem todos vão nos apoiar e, mais ainda, que poucos ajudam na hora em que mais precisamos. Por isso, mais do que ser resistente, é preciso confiar em nós mesmos, sabendo que nossos planos vão dar certo e que estamos fazendo o melhor que podemos.

O empresário Raimundo Moreira Noleto, de 62 anos, sabe muito bem o que é passar por isso. Segundo reportagem do AC24horas, há cerca de dois anos, viu a empresa que havia aberto com os irmãos ir à falência. Nascido em Gurupi, no Tocantins, Raimundo foi morar no Acre, em 1999, a convite dos irmãos.

A família sempre trabalhou com o comércio, desde a infância vendia frutas, verduras e grãos, e optou por entrar no negócio dos irmãos assim que chegou a Rio Branco, capital do estado. Assumiu a diretoria comercial, mas nunca deixou de lado o costume de fazer de tudo um pouco (sabe soldar, é pedreiro e serralheiro).

Depois que o negócio foi à falência, Raimundo decidiu continuar no Acre e tentar novamente no ramo, mesmo que muitos dissessem que não daria certo. Como sempre gostou muito de se superar e recomeçar, abrir uma nova empresa era o seu próximo desafio. Todos os seus familiares estavam desempregados; o empresário tinha 55 anos nessa época, mas isso não foi capaz de pará-lo.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Raimundo Noleto.

Quando souberam que ele ia empreender novamente, os irmãos perguntaram se ele “estava doido”, já que estava em idade avançada e poderia sentir fortemente o peso da idade abrindo um novo negócio. Mas Raimundo revela que, se viver até os 100 anos, vai trabalhar até os últimos dias, já que gosta de empreender, de capacitar e formar pessoas.

Mas as coisas não começaram tão facilmente. Abriu o Villa Caldo, que começou numa barraquinha, um local muito pequeno, que serviu como seu primeiro ponto.

Como não tinha dinheiro, precisava dormir ali mesmo, e comprou um engenho de cana usado para vender garapa. Os três filhos fizeram parte do empreendimento desde o início, e a aposta deu certo, hoje o tamanho do lugar já triplicou e, além do caldo de cana, também abriga um mercado e uma frutaria.

Sua empresa teve que ser construída com as próprias mãos. Nada do que Raimundo conquistou foi simples. O terreno onde a loja funciona foi oferecido por um rapaz que queria vendê-lo para construir uma casa. Como ele não tinha dinheiro algum para oferecer, fez uma proposta diferente: construiria a casa para o rapaz em troca do terreno. Deu certo, o empresário construiu uma mansão de 350 m², com ajuda de algumas  pessoas, e ficou com o terreno como pagamento.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Raimundo Noleto.

Foram dois anos até erguer a casa e mais algum tempo até construir a própria loja, já que no terreno só havia mesmo o chão. Aos poucos, seu sonho foi tomando forma e Raimundo alimentando a ideia de se tornar referência no bom atendimento, tratando os clientes da melhor maneira possível. Segundo conta, Deus lhe permitiu uma segunda chance, e ele vai fazer de tudo para ser o melhor na área.

Deixe uma resposta