• seg. set 20th, 2021

NOTÍCIAS QUE FAZEM BEM

Porque o bem merece cometários

Mulher assume negócio de tijolos do pai, moderniza empresa e hoje emprega 30 pessoas no Acre

Bydaianelealcosta

set 8, 2021

Aos 43 anos de idade, a empresária Janaína Verbena, de Cruzeiro do Sul (AC), representa a terceira geração da família a cuidar do negócio de cerâmicas e tijolos. Tudo começou com o avô, o português Manoel Terças, que inaugurou o empreendimento há quase cem anos, na década de 1930.

O pai de Janaína, Seu Joaquim, expandiu a empresa ao montar uma olaria em 1985, que foi reformulada, ampliada e modernizada por ela, que agora cuida de um estabelecimento com produção automatizada.

Diversas edificações relevantes da cidade, como a Catedral Nossa Senhora da Glória, o 61° Batalhão de Infantaria e Selva, Maternidades, Hospitais do Juruá e de Campanha, Aeroporto e Quartel da Polícia Militar, foram construídos com a ajuda da família Terças.

Para Janaína, a decisão de ficar à frente da empresa se deve ao bom relacionamento familiar, tomado em conjunto com os pais e irmãos. O pai, por exemplo, segue ativo por lá, sendo um profundo conhecedor da fabricação de cerâmicas.

Os funcionários também a apoiam na gestão, sendo que 70% dos 30 colaboradores estão com a família desde o início da cerâmica na década de 80.

Antes, a fabricação dos tijolos era bastante arcaica e manual, mas agora foi substituída por uma que faz uso da tecnologia. Com isso, houve um salto de eficiência para a empresa de Janaína, que se mantém entre as 3 grandes indústrias da região.

mulher assume negócio tijolo tijolos pai moderniza empresa

Para a empresária, sua criação baseada na experiência e na igualdade de oportunidades dadas à ela e à seus irmãos (homens) foram fundamentais para que ela liderasse o negócio com sucesso. Hoje, Janaína é conhecida como a “Rainha do Tijolo do Vale do Juruá”.

“Você pode fazer qualquer coisa”

Desde cedo, Seu Joaquim levava a filha para o barreiro da olaria. Lá, ensinava ela sobre a liga ideal do barro e até dirigir máquinas pesadas.

O pai sempre disse à filha que ela poderia fazer qualquer coisa, e isso fez toda a diferença na vida da empresária que agora comanda os negócios da família.

Cada fase da confecção dos tijolos da Cerâmica Terças é bem conhecida por Janaína, como a passagem no forno, a queima e o processo de finalização.

mulher assume negócio tijolo tijolos pai moderniza empresa

Eu cresci no barro, gosto do barro, da cor do barro, da forma como ele se transforma. Não me imagino em outro negócio. Esse é meu ramo. O suor de todos da Cerâmica Terças, há 3 gerações está em muitas casas, ruas e muitos prédios públicos de Cruzeiro do Sul”, afirmou a empresária, que modernizou o jeito de fazer tijolos, deixando o processo de confecção mais rápido e econômico.

E a dedicação aos negócios, para a empresária, é total. “Sou a terceira geração da empresa, então tinha que melhorar tudo. […] Resolvemos mudar de local, onde o solo é adequado. Como eu e meu irmão tinha viajado e conhecido outras empresas, resolvemos modernizar tudo. Nosso processo era arcaico. Era a maromba funcionando, os trabalhadores pegando com a mão e correndo com carrinho de mão, subindo e descendo pequenas vielas feitas de tábua e arrumando os tijolos nas prateleiras. A produção era pequena com custo elevado. De 2010 a 2013, trabalhamos o projeto dessa nova cerâmica, os licenciamentos, maquinários novos. Hoje nosso processo é todo automatizado, a máquina faz tudo: produz os tijolos, coloca nas vagonetas seguindo pra a secagem e, em seguida, os tijolos são cozidos. A tecnologia diminuiu a mão de obra e aumentou a produção e o que a gente produzia em um mês, agora produzo em uma semana”, relatou.

Reconhecimento

Já faz dois anos que Janaína é a representante da FIEAC, a Federação das Indústrias do Acre, no Vale do Juruá, onde aproveitou a oportunidade para buscar mais desenvolvimento do setor industrial como um todo.

Nos últimos meses, tem se empenhado na busca de qualificação para os industriais e industriários; ela ressalta como avanço a recente legalização ambiental e documental de mais de 40 empreendimentos do Polo Moveleiro de Cruzeiro do Sul.

Orgulhosa da profissão, ela espera que o novo projeto da FIEAC, em parceria com o poder público, de pequenas obras para os municípios resulte no aquecimento da economia.

“O grande objetivo é a manutenção de empregos e a geração de renda. Essa terra ter marcas do meu avô e do meu pai. Meu pai, filho e meu neto nasceram aqui e quero que essa região cresça e siga em desenvolvimento. Espero ter contribuído com o desenvolvimento da cidade. Neste momento se faz necessário deixar de lado minhas necessidades pessoais, em prol do coletivo, para assim dar a minha contribuição na melhoria da realidade econômica da minha terra”, concluiu Janaína Verbena.

Deixe uma resposta